banner 2017

panfleto small
Panfletos 1-2-3-4-5
para imprimir


Home / Contacto


melancour
MELANCOUR ( Group WiFi )

logo wifi am18
Foto exposition PROJECTO ONE

 

Art Tabuense Artigo WiFi 01.11.2018
FESTIVAL MEMÓRIA NA VILA DO MATO - AMBIENTE PELA VIDA - Group WHY FIRE

Cerca de 400 visitantes juntaram-se no domingo, 14 de Outubro, na Vila do Mato/Tábua, no Festival “Ambiente pela Vida”, organizado pelo grupo “WhyFire”, evocativo dos grandes incêndios de 2017 em Portugal. Este evento contou com a participação de cerca de 40 artistas e activistas voluntários no programa ..

Através dos livros expostos e panfletos distribuídos, os membros dos grupos “Why Fire” e “Céus Limpos” atribuem fenómenos como as tão actuais “tempestades de fogo”, furacões, inundações, terramotos, tsunamis, etc., à “geo-engenharia”, a “indústria climática do século XXI”, “posta em marcha com o propósito de controlar a população”. Os seus membros contestam a falsa informação propagandeada pelos média, canais de metereologia, escolas e outras instituições, exortando a população a defender-se, de parceria com a Natureza. Outros temas importantes foram abordados nas restantes mesas. A Medicina Natural e Curas Alternativas foram apresentadas como meios de lidar com experiências traumáticas.

Um orador em destaque foi o psicólogo tabuense Ricardo Fonseca Mota (Autor do livro “Fredo”, Prémio Literário Revelação Agustina Bessa-Luís, 2015), que presenteou a plateia com o seu conhecimento científico sobre trauma e terapias associadas.

Presente esteve também o grupo Reflorestar Portugal, o qual se formou após o incêndio de Pedrógão Grande, que, na pessoa de Marina Zimmermann, relatou as actividades da associação e solicitou ao público presente a colecta urgente de sementes de árvores tradicionais no território português (carvalho, sobreiro, castanheiro, etc.) a fim de cada um assumir o seu papel no grande trabalho conjunto que será reflorestar o território.

GCL Arganil
 

O Tabuense Artigo GCL 15.10.2018.pdf
O CRIME NÃO FOI INVESTIGADO! PORQUÊ?
No passado dia 5, o Grupo Céus Limpos organizou, na Biblioteca Municipal de Arganil, em conjunto com a junta de freguesia local, um evento evocativo da tragédia causada pelo incêndio de 15 Outubro 2017.
Vítor Melo, presidente dos Bombeiros Voluntários de Vila Nova de Oliveirinha, Tábua, um dos palestrantes,mostrou-se bastante crítico no que respeita à estrutura actual do comando nos bombeiros, sublinhando que “tem que ser revista, para poder fazer o combate real aos fogos, de forma imediata e eficaz”. Como especialista na matéria, não teve dúvidas em afirmar que a tragédia de Outubro do ano passado “não foi um fogo natural”.

logo wifi AM
 

O Tabuense Artigo GCL 01.08.2018 pdf
A DENÚNCIA QUE HOUVE FOGOS CONTROLADOS
Seminário em Tábua sobre "GEOENGENHARIA PARA CONTROLO DO TEMPO - O PORQUÊ?"
Organizado pelo Grupo Céus Limpos com o Referente Benjamim Levy

Benjamim Levy, terapeuta transpessoal e holístico em Lisboa e no Algarve,, questionou acerca dos motivos que levam os governos a mentirem às populações. Referiu que a propaganda das “alterações climáticas” é fundamentada no mito de que a temperatura tenha aumentado significativa e potencialmente a níveis catastróficos, por emissões de CO2 – dióxido de carbono, gerado pelos seres humanos. Uma propaganda que se terá iniciado através do filme e livro “Uma Verdade Inconveniente” , da autoria do ex-vice presidente dos EUA, Al Gore.
“Na realidade, em 2004 ele lançou uma empresa em Londres, “Blood & Gore”, especializada em Gestão de Investimentos, especificamente direccionada para explorar as oportunidades financeiras como as acções de carbono e a troca, ou ‘compra-e-troca’ de créditos de carbono, oferecidas pelo mito do ‘aquecimento global’, em que Al Gore já ganhou milhões de euros”, acrescentou.



English Version:
O Tabuense Artigo GCL 15.06.2018.en pdf

art meruge
 

O Tabuense Artigo GCL 15.06.2018.pdf
PROVAS DE MÃO CRIMINOSA NOS FOGOS DESAPARECERAM DA GNR!

Conny Kadia, co-fundadora do Grupo Céus Limpos, uma das organizadoras deste debate, repetiu as perguntas que surgem do grupo de trabalho que investiga as causas da catástrofe incendiária: “Porque desapareceram provas entregues à GNR logo a seguir aos incêndios e porque é que nunca ninguém foi chamado para investigação? Dezenas de pessoas viram drones a deitar fogo, e, até agora, nenhuma instituição se interessou para investigar as causas; pessoas ouviram aviões quando o fogo deflagrou, com bolas de fogo a cair”. E denunciou o facto da pulverização da atmosfera, através de químicos, ter sido autorizada  pelo governo do PSD, liderado por Cavaco Silva, com a assinatura do “Contrato Céu Único”, em 2010! “Desde essa altura que metais pesados, como alumínio, magnésio e outros, estão a ser pulverizados para formar uma rede com nuvens artificiais, de forma a alterar a nossa atmosfera para fins industriais e militares. Estes metais são explosivos e inflamáveis, chegando ao solo deixam as florestas com uma superfície favorável à propagação dos fogos”, frisando que “os fogos de Pedrógão Grande e Oliveira do Hospital têm semelhanças incríveis em comportamento, horário e abandono da população”.
Conny Kadia revelou que uma petição contra a propagação de rastos químicos nos céus de Portugal foi entregue na Assembleia da República, em Janeiro de 2017, poucos meses antes dos desastres. “São mais de 4000 assinaturas que merecem a maior atenção das instituições envolvidas nas análises actuais dos desastres em 2017, se queremos prevenir o nosso futuro, para salvaguardar a agricultura familiar, e uma vida segura em Portugal”.
GCL 3.18
 

O Tabuense 15.03.2018
FOGO “ORGANIZADO” NA TRAGÉDIA DE OUTUBRO!

Por quê razão uma piscina de plástico (ponto de fusão - PF ca. 200ºC) não derreteu, mas as ferramentas nos contentores de ferro a 2 m de distância dela derreteram (PF ca. 1500ºC), e as folhas dos arbustros e árvores, parecido a p.ex. papel, também não arderam (PF ca. 250ºC), num “Incêndio Florestal normal” com temperaturas de ca. de 300ºC ??

benjamim levy
 

O Tabuense 15.02.2018 page 1
O Tabuense 15.02.2018 page 2
"RASTOS QUÍMICOS LANÇADOS NOS CÉUS INTENSIFICARAM FOGOS"
Entrevista José Leite com Benjamim Levy

"Talvez estejamos aqui perante um dos maiores crimes contra todo o ecossistema e o ser humano, que gradual e subtilmente tem estado a ser implantado em todo mundo. Se nada fizermos, irá afectar de forma grave e talvez irreversível todo o planeta.
Devido à polémica internacional sobre este tema estar a ganhar espaço, ou devido ao facto do controlo do clima ser proibido pelos tratados internacionais da Convenção de Genebra e pela ONU, os responsáveis pelo projecto criaram agentes e empresas, em todos os países envolvidos, onde gastaram milhões de dólares só em desinformação – tentando evitar o conhecimento ou a divulgação, nas populações, do projecto. O controlo de desinformação tem sido a todos os níveis – inclusive nos testes feitos em laboratórios governamentais aos solos, ar e água – que apresentam valores abismais da realidade em comparação com outros laboratórios independentes – .."



 

Art 03.02.2018 Diario de Coimbra
OLIVEIRA DO HOSPITAL "Geoengenharia para controlo do clima - uma arma não oficial exótica.. e incontrolável"
PALESTRA com BENJAMIM LEVY de LISBOA


art GCL 1.18

 

Artigo com José Leite, O Tabuense 31.01.2018
GRUPO CÉUS LIMPOS” DIVULGA TESTEMUNHOS COMPROMETEDORES
“Chamas a voar por cima das casas” e ‘línguas de fogo’ nas estradas de alcatrão, no meio das aldeias! “A terra estava a arder e as árvores ardiam por dentro e em baixo, pois as raízes, a vegetação e o solo já estavam cheias desses químicos”, ...
São estas perguntas que o “Grupo Céus Limpos” coloca, para reflexão, a todas as instituições envolvidas e ao Governo, questionando porque deram autorização para a intoxicação do espaço aéreo em Portugal.




 

Artigo com Carlos Sousa, Diario de Coimbra 23 de Janeiro de 2018
Grupo Céus Limpos “clarifica” quadro negro dos incêndios


ck1
 

O Tabuense - 15 de Janeiro de 2018 - Tábua - Coimbra - Portugal:
Entrevista com Conny Kadia sobre "Grupo Céus Limpos"
Conny Kadia, há testemunhos credíveis de pessoas que referem a eventualidade do uso de produtos químicos, raios laser e drones na propagação destes incêndios assassinos. Aliás, em Novembro, na RTP3 – portanto já depois dos últimos fogos – o professor Filipe Duarte Santos, da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, referia a existência de um programa para pulverizar a atmosfera com produtos químicos: “A atmosfera será pulverizada com químicos tóxicos para arrefecer o planeta”, referia o académico, numa afirmação que só vem corroborar muitas das dúvidas que ora se levantam e que confere algum crédito aos depoimentos de algumas testemunhas.

Ana Bela Ferreira DR 27.10.17
 

Diário de Notícias 27. Outubro 2017 com Ana Bela Ferreira
Teorias dos rastos químicos dos aviões chegam ao Parlamento
https://www.dn.pt/sociedade/interior/teorias-dos-rastos-quimicos-dos-avioes-chegam-ao-parlamento-8875326.html

Rastos deixados pelos aviões levantam dúvidas
A possibilidade de os aviões estarem a deixar rastos químicos na atmosfera - chemtrails - vai ser debatida hoje na Assembleia da República. A discussão deve-se a uma petição que reuniu 4384 assinaturas ..



joao alferes goncalves 26.10.17
 

Abril de Novo Magazine 26. Outubro 2017 com João Alferes Gonçalves
Incêndios misteriosos por João Alferes Gonçalves
https://abrildenovomagazine.wordpress.com/2017/10/26/incendios-misteriosos-por-joao-alferes-goncalves/

Esta foto aérea mostra duas frentes de incêndio rigorosamente paralelas, entre Aveiro e Figueira da Foz. A extensão era de duas ou três dezenas de quilómetros. Esta estranha ocorrência, só por si, dá azo a muitas perguntas. Acontece que o cenário repetia-se mais abaixo, entre a Figueira da Foz e a Nazaré. Na zona onde se situa (ou situava) o Pinhal de Leiria.

As polícias prenderam ou identificaram miúdos, domésticas e incendiários avulsos. Pergunto eu: um incêndio como o da foto resulta de uma queimada? De um acto intencional de um incendiário isolado?
Lembro que se trata de frentes de fogo rectilíneas com dezenas de quilómetros.
Em todas as medidas de prevenção de incêndios florestais preconizadas, não vejo nenhuma que admita uma acção deliberada de terrorismo incendiário.